A maior tempestade de Saturno

5 Março 2018

As tempestades de Saturno são uma visão a ser comtemplada. Ao contrário de outros planetas no Sistema Solar, o planeta anelado parece armazenar enormes quantidades de energia em várias décadas da Terra e, em seguida, libertá-la de uma só vez sob a forma de uma tempestade caótica de relâmpagos.

Os cientistas não sabem como ou por que razão o planeta se comporta desta maneira, mas estas tempestades maciças ocorrem, aproximadamente, uma vez por ano saturniano - ou uma vez a cada 30 anos da Terra - e são conhecidas como Grandes Pontos Brancos.

O Grande Ponto Branco aqui retratado, também denominado de Grande Tempestade do Norte, foi a maior e mais intensa tempestade que a missão internacional Cassini já observou em Saturno. Começou no final de 2010 e durou meses, mas afetou as nuvens, as temperaturas e a composição da atmosfera durante mais de três anos.

Esta imagem de cor real de Cassini foi obtida a 25 de fevereiro de 2011, aproximadamente 12 semanas após a tempestade ter começado, e mostra os padrões turbulentos dentro da tempestade. Parece haver duas faixas de tempestade, uma mais ao norte e mais brilhante do que a outra. Na verdade, a tempestade trovejou o seu caminho ao redor do planeta e alcançou-se. Algumas nuvens mais a sul e oeste da cabeça da tempestade podem ser vistas tingidas de azul enquanto interagem com outras correntes na atmosfera, enquanto a cabeça da tempestade rodopia com brancos e amarelos, enquanto se dirige para o oeste, para superar a sua cauda mais sutil.

Foi uma coincidência afortunada que Cassini tenha estado em órbita a Saturno durante a tempestade, oferecendo uma oportunidade, sem precedentes, para estudar os turbulentos padrões de clima e as condições atmosféricas do gigante de gás. Recentemente, Cassini descobriu que esta tempestade tinha sido tão imensa e poderosa que conseguiu perturbar a atmosfera no equador do planeta, a dezenas de milhares de quilómetros de distância.

Pensa-se que esta interrupção dos padrões atmosféricos a longo prazo, cíclicos e contínuos nas latitudes médias (legendadas informalmente por alguns como o “batimento cardíaco” do planeta) se deve à “teleconexão”, que também observamos na Terra - quando eventos distantes dentro de um sistema climático estão de alguma forma conectados e podem influenciar-se significativamente.

Esta imagem combina imagens vermelhas, verdes e azuis filtradas da camara de ângulo grande de Cassini, para criar uma visualização a cores reais. Estas imagens foram adquiridas a uma distância de 2,2 milhões de km de Saturno, olhando para o lado dos anéis iluminado pelo sol, logo acima do plano do anel, e tem uma escala de 129 km por pixel.

A missão Cassini é um projeto cooperativo da NASA, da ESA e da ASI, a agência espacial da Itália. Após 13 anos de observações pioneiras, Cassini terminou a sua missão de forma espetacular, no dia 15 de setembro de 2017, mergulhando nos anéis internos e na atmosfera do planeta e interrompendo o contato para sempre.

                                                                                                

Avalie

  • Atualmente 4 de 5 estrelas.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Avaliado: 4.1/5 (9 votos realizados)

Obrigado por avaliar!

Você já avaliou esta página, você só pode avaliar uma vez!

Sua avaliação foi modificada, obrigado por avaliar!

Pontos de vista

309