Paisagem do cometa

1 Outubro 2018

No dia 30 de setembro de 2016, a sonda Rosetta da ESA aproximou-se mais do que nunca do alvo que estudou de longe durante mais de dois anos, concluindo a sua missão com um impacto controlado na superfície do Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko (67P/C-G).

Esta segunda aterragem no cometa deu seguimento ao esforço pioneiro do módulo de aterragem da Rosetta, Philae, que se tornou a primeira sonda a aterrar com sucesso num cometa, a 12 de novembro de 2014.

Com um conjunto de 11 instrumentos científicos a bordo, Rosetta coletou uma quantidade impressionante de imagens e outros dados neste cometa, agora icônico, examinando a sua superfície, escrutinando o seu interior, examinando o gás e a poeira nos seus arredores e explorando o seu ambiente de plasma. Os cientistas têm usado estas medições para promover a nossa compreensão sobre os cometas, bem como a história do nosso Sistema Solar.

Esta imagem mostra uma porção do 67P/C-G como vista pela Rosetta a 22 de setembro de 2014, apenas um mês e meio após a aeronave se ter encontrado com o cometa. Na época, a aeronave estava a 28,2 km do centro do cometa (a cerca de 26,2 km da superfície). O astrónomo amador Jacint Roger Perez, da Espanha, selecionou e processou esta panorâmica combinando três imagens obtidas em diferentes comprimentos de onda pela câmara de ângulo estreito OSIRIS da Rosetta.

Visto no centro e à esquerda do quadro está Seth, uma das regiões geológicas no maior dos dois lóbulos do cometa, que desce em direção à região mais suave de Hapi no “pescoço” do cometa que conecta os dois lóbulos. A paisagem no fundo deixa entrever as regiões de Babi e Aker, ambas localizadas no lóbulo grande do 67P/C-G. Para uma imagem mais ampla desta região no contexto geral do cometa, veja aqui.

O perfil pontiagudo na parte inferior da imagem mostra a falésia de Aswan, uma escarpa de 134 m de altura que separa as regiões de Seth e Hapi. As observações feitas pela Rosetta, não muito antes do periélio do cometa, que ocorreu a 13 de agosto de 2015, revelaram que parte desse penhasco havia desmoronado - uma consequência do aumento da atividade quando o cometa se aproximou do Sol, ao longo da sua órbita.

Explore você mesmo o arquivo completo das imagens da missão em https://imagearchives.esac.esa.int e conte-nos sobre os tesouros escondidos que encontra via @esascience.

Avalie

  • Atualmente 5 de 5 estrelas.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Avaliado: 5/5 (3 votos realizados)

Obrigado por avaliar!

Você já avaliou esta página, você só pode avaliar uma vez!

Sua avaliação foi modificada, obrigado por avaliar!

Pontos de vista

229