Panorama de vários comprimentos de onda do remanescente de uma supernova

8 Janeiro 2019

A véspera de Ano Novo pode ter passado, mas ainda não terminaram os fogos de artifício. Esta imagem, que inclui dados do Observatório Espacial Herschel da ESA, mostra o remanescente de uma explosão - não do tipo colorido aceso durante as celebrações, mas do tipo estelar.

O objeto na imagem, apelidado de G54.1 + 0.3, é o remanescente de uma supernova, os restos de uma estrela massiva que morreu violentamente. Está localizado a cerca de 20.000 anos-luz de nós, na constelação setentrional de Sagitta, a flecha.

À medida que a estrela ficou sem combustível, derramou as suas camadas externas numa poderosa explosão, enquanto o seu núcleo colapsou devido à gravidade, formando uma estrela de neutrões extremamente densa. O remanescente dessa explosão, em particular, é um pulsar, uma estrela de neutrões de rotação rápida que brilha intensamente nas partes de rádio e de raios-X do espectro eletromagnético.

Além do remanescente estelar, a poeira e o gás no invólucro circundante também são notáveis. De acordo com um estudo recente de J. Rho e colaboradores, essas camadas contêm sílica - também conhecida como dióxido de silício, ou SiO2 - um componente importante de muitos tipos de rochas na Terra, perfazendo cerca de 60% da crosta do nosso planeta. O estudo é o primeiro a mostrar que este ingrediente-chave de materiais quotidianos, como vidro e areia, pode ser formado em explosões de supernovas.

Esta imagem combina dados de raios-X e infravermelho coletados por três observatórios espaciais e observações de rádio obtidas a partir do solo.

Os dados do Herschel, apresentados em tons esverdeados nesta imagem, e correspondendo ao comprimento de onda do infravermelho distante de 70 mícrons, tiveram um papel fundamental em ajudar os astrónomos a detetar sílica no invólucro empoeirado desse remanescente de supernova, juntamente com observações de infravermelho médio do Telescópio Espacial Spitzer da NASA, correspondendo a 24 mícrons e apresentados a azul.

Os dados de rádio, obtidos com o Karl G. Jansky Very Large Array no Novo México, EUA, são mostrados a vermelho, enquanto os tons amarelos mostram os dados de raios-X do Chandra X-ray Observatory da NASA.

Operando entre 2009 e 2013, o Herschel deixou um legado de dados preciosos que ainda estão a produzir uma infinidade de resultados científicos a cada ano que passa. O estudo do remanescente da supernova G54.1 + 0.3 baseia-se em dados de arquivo de um dos principais programas do observatório, o Herschel Infrared Galactic Plane Survey (Hi-GAL).

Avalie

  • Atualmente 5 de 5 estrelas.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Avaliado: 5/5 (5 votos realizados)

Obrigado por avaliar!

Você já avaliou esta página, você só pode avaliar uma vez!

Sua avaliação foi modificada, obrigado por avaliar!

Pontos de vista

351