Bem-vinda a casa Rosetta

12 Fevereiro 2019

É sempre reconfortante ver o primeiro vislumbre familiar do lar depois de uma grande aventura, mas para os nossos satélites que viajam pelo espaço, a visita de retorno é breve e prática: usar a imensa gravidade do planeta para colocá-los numa nova trajetória.

Essas “ajudas gravitacionais” são encontros fugazes, mas o suficiente para mudar a velocidade e a direção da aeronave de modo que possa entrar em órbita em torno de outro mundo.

Esta imagem delicada da Terra foi capturada em 2007 no segundo dos três sobrevoos da Terra realizados pela nave espacial caça-cometas Rosetta, na sua viagem de dez anos até ao Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. A aeronave também recebeu um impulso de Marte para colocá-la em curso com o seu destino.

O primeiro estilingue gravitacional interplanetário ocorreu a 5 de fevereiro de 1974, quando o Mariner 10 da NASA passou por Vénus rumo ao sobrevoo de Mercúrio. A missão ESA-JAXA BepiColombo - cujo nome foi herdado de Giuseppe Colombo, que originalmente propôs à NASA as trajetórias interplanetárias que permitiriam múltiplos voos de Mariner-10 usando a gravidade assistida em Vénus - fará nove sobrevoos à Terra, Vénus e Mercúrio para chegar ao planeta mais interno e, eventualmente, entrar na sua órbita.

Da mesma forma, a próxima missão Sonda Solar da ESA usará a gravidade de Vénus para mudar a sua inclinação, de modo a poder observar melhor os polos do Sol. E o Explorador das Luas Geladas de Júpiter da ESA vai primeiro mergulhar no Sistema Solar interno para usar a Terra, Vénus e Marte para estabelecer o rumo para o gigante de gás, Júpiter.

Mas a Terra continua a ser o lar de uma frota de satélites comprometidos em realizar uma série de atividades diferentes a partir de órbita: enquanto alguns estão a espiar longe no cosmos, as nossas missões de Observação da Terra estão a observar, diligentemente, o nosso precioso planeta, tomando o seu “pulso” e a ajudar-nos a entender melhor como cuidá-lo. O crescente iluminado pelo Sol, visto em torno da Antártica nesta bela imagem, certamente evoca um sentimento de fragilidade e lembra-nos do nosso lugar especial no Espaço.

A imagem foi tirada pela câmara OSIRIS da Rosetta, cerca de duas horas antes da aproximação mais adjacente durante o sobrevoo de 13 de novembro de 2007, quando a aeronave estava a 75 mil quilómetros da Terra. A missão tornou-se a primeira a encontrar-se com um cometa, e a primeira a seguir e estudar um cometa na sua órbita ao redor do Sol.

Avalie

  • Atualmente 3 de 5 estrelas.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Avaliado: 3/5 (4 votos realizados)

Obrigado por avaliar!

Você já avaliou esta página, você só pode avaliar uma vez!

Sua avaliação foi modificada, obrigado por avaliar!

Pontos de vista

165