Holofote na Antártida

21 Janeiro 2019

Esta imagem etérea foi tirada por Daniel Michalik, atualmente bolseiro de investigação da ESA. Foi finalista do concurso de fotografia da Royal Society em 2017 e tornou-se o vencedor geral na categoria “Astronomia” - e é fácil perceber porquê.

Captura um belo cenário no Pólo Sul da Terra, na Antártida, onde as condições secas e frias permitem observações de vários fenómenos celestes raros, os quais são vistos com menos frequência noutros lugares. A imagem, aqui maravilhosamente capturada por Daniel, é um bom exemplo de tal fenómeno: um pilar de luz.

A Lua ilumina uma coluna de luz brilhante entre ela e o planalto congelado abaixo, criando um cenário semelhante a um dramático holofote lunar que irradia para baixo. Isto é causado pelo luar a refletir e refratar através dos cristais de gelo suspensos na atmosfera do planeta, produzindo um brilho difuso e misterioso. Os cristais de gelo atmosféricos estão por trás de vários fenómenos exibidos maravilhosamente no Pólo Sul, incluindo halos e arcos (anéis brilhantes que circundam o Sol ou a Lua no céu), bem como canídeos solares e lunares (pontos de luz brilhantes e circulares que às vezes aparecem ao longo desses halos ao redor do Sol ou da Lua).

Júpiter pode ser visto como um ponto brilhante no canto superior esquerdo da Lua. Esta fotografia é uma exposição longa única, com pequenos ajustes de contraste e exposição, tirada a -60°C.

Daniel passou o inverno no Pólo Sul Geográfico em 2017, enquanto trabalhava no Telescópio de 10 metros do Pólo Sul (SPT), visível aqui como a antena de rádio mais à esquerda. As outras duas antenas visíveis são o BICEP2 (Imagem de fundo da polarização extragalática cósmica 2) e o Keck Array. Estes telescópios estão a explorar os primeiros dias do cosmos. Estão localizados no Setor Escuro da Estação do Pólo Sul Amundsen-Scott, onde quaisquer fontes de interferência eletromagnética que possam afetar as observações são mantidas o mais baixo possível. Isto significa que não há Wi-Fi, nem contato de rádio e luzes brilhantes nesta área, entre outros.

É visível uma linha de bandeiras a sair da câmara em direção a esses telescópios - estas ajudam os astrónomos e funcionários a encontrar o caminho para o local durante os cinco meses de contínua escuridão do inverno.

A Lua cria uma série de visões fascinantes e únicas para os observadores terrestres, sendo talvez os eclipses os mais famosos. O mais recente eclipse lunar - quando a Terra desliza entre a Lua e o Sol, lançando a sua sombra sobre o nosso satélite - ocorreu durante as primeiras horas desta manhã. O eclipse lunar total pôde ser visto na América do Norte, América do Sul e partes do oeste e norte da Europa e África.

Embora a Lua não tenha recebido visitantes humanos desde a década de 1970, está novamente a tornar-se um alvo para as agências espaciais. A Lua é um ponto de referência fundamental para entender a evolução do antigo Sistema Solar. Há também um interesse renovado numa presença humana de longo prazo na Lua, uma vez que oferece um grande potencial como “trampolim” para os humanos explorarem outras regiões do espaço - sendo Marte o próximo objetivo.

Avalie

  • Atualmente 4.5 de 5 estrelas.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Avaliado: 4.3/5 (3 votos realizados)

Obrigado por avaliar!

Você já avaliou esta página, você só pode avaliar uma vez!

Sua avaliação foi modificada, obrigado por avaliar!

Pontos de vista

334